Por que investir em Fortaleza?!

Por André Vianna

Para comemorar o aniversário da Cidade de Fortaleza em 2022 deixo minha pequena contribuição para aqueles que queiram conhecer um pouco mais do que a cidade tem para oferecer além de belas praias e um povo alegre e acolhedor.

Até 2019 o Estado do Ceará e nossa bela capital Fortaleza viviam um momento extraordinário como consequência de políticas públicas voltadas para atrair investimentos nacionais e internacionais. Em 2014 Fortaleza foi buscar financiamento para o Programa Fortaleza Cidade Sustentável junto ao Banco Mundial. O Governo do Estado já vinha investindo em obras estruturantes desde quando a capital foi escolhida como uma das sedes da Copa do Mundo.

Mas veio a pandemia … Alguns projetos foram continuados, mesmo de forma lenta, outros suspensos … Entretanto, agora, superados os piores momentos, o cerne é focar na retomada para o pós-pandemia …

O Estado e a Cidade estão preparados para a retomada!!!

O Governo do Estado lançou o programa ‘Ceará Veloz 3.0’, instrumento para servir de guia para investidores e empresas que tenham interesse no Estado. Publicado em dois volumes, contém uma análise técnica das ações realizadas no período da pandemia e informações sobre investimentos em andamento.

https://www.adece.ce.gov.br/2022/01/10/ceara-3-0-governo-do-ceara-lanca-planejamento-estrategico-do-estado-para-o-contexto-economico-pos-pandemia/

Então vamos lá!!!

Macro-histórico!

Em julho de 2018 o BRIC Group, empresa holandesa especializada em negócios imobiliários, publicou em seu site uma matéria destacando 8 razões para investir no Cerará. A publicação destacou potenciais econômicos e turísticos do Estado, principalmente com a chegada do hub aéreo. Outro ponto de destaque dizia respeito aos valores das propriedades imobiliárias, como residências de alto padrão, com valores mais atrativos do que em outras regiões do Brasil.  http://bric-investment.com/news/8-reasons-to-invest-in-ceara-in-2018/

Endossando a análise da publicação em relação ao potencial no segmento de imóveis de alto padrão, principalmente no modelo de condomínios horizontais, Fortaleza possui vários empreendimentos da Terra Brasilis, dois empreendimentos residenciais da Alpha Ville Urbanismo e um da FGR Urbanismo.

Além das razões destacadas pelo BRIC Group, o Estado do Ceará, principalmente a capital Fortaleza, recebeu fortes investimentos na área de turismo e entretenimento. Destaque para o Grupo Hard Rock que inaugurou em 2018 o Hard Rock Café em um dos maiores shoppings da capital, sua segunda unidade no Brasil. O Hard Rock Hotel, situado na Praia da Lagoinha, a cerca de 110 quilômetros de Fortaleza, com previsão inicial para 2020, será entregue nesse ano. O empreendimento terá 395 quartos, 3 restaurantes, 2 piscinas um edifício para eventos fechados, heliponto, além de contar também com outros serviços da Rede.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Ainda no segmento turístico, o grupo espanhol Globalia estava em negociações com o Governo do Estado para operar dois voos semanais Fortaleza-Madri, por meio da Air Europa, em 2019. O Grupo pretendia, ainda, investir em novos hotéis e resorts no Estado como parte da estratégia para fortalecer o destino entre as duas cidades. À época, estimava-se que o turismo representaria 24% do PIB do Estado em 10 anos.

HUB Aéreo

Em março de 2017 a Fraport AG – Frankfurt Airport Services conquistou a concessão dos aeroportos de Fortaleza e de Porto Alegre para um período de 30 a 35 anos. O projeto de expansão prevê que ao final da concessão o aeroporto receba algo em torno de 20 milhões de passageiros por ano. Em março/2022 a Fraport Brasil entregou as obras de infraestrutura e pista do aeroporto de Fortaleza, previstas no contrato de concessão.

Em paralelo ao processo de concessão, o Governo do Estado do Ceará negociava para trazer a operação do hub aéreo da Air France-KLM para Fortaleza, cuja decisão se deu em setembro do mesmo ano.

O Hub elevou a visibilidade do Ceará como destino turístico, bem como para negócios, e iniciou operando voos diretos de Fortaleza para Paris e Amsterdã. A partir daí outras rotas entraram em operação, a saber:

– Miami e Orlando pela GOL e Latam Airlines

– Cidade do Panamá pela Copa Airlines

– Buenos Aires, Córdoba e Rosário na Argentina pela GOL

– Frankfurt pela Condor

Estavam, também, em andamento, as negociações para novos voos diretos de Fortaleza para NY, Londres (a Norwegian Air UK Limited que já estava autorizada a operar no Brasil pela ANAC), Madri (Air Europa) e Casablanca. Até o final de 2018 estavam previstos 36 voos semanais para o exterior.

Desde o começo da operação da Fraport e do hub Air France-KLM houve um incremento de 28,4% no fluxo de passageiros, crescimento maior que a média nacional de 13,3%. Os números já superavam o ano de 2014, ano da Copa do Mundo.

Segundo estimativa da Secretaria de Turismo de Fortaleza (Setfor), a quantidade de os voos com destino à Fortaleza antes da pandemia será retomada ainda no primeiro semestre de 2022. Já no que diz respeito aos voos internacionais, deverão ser retomados algo em torno de 50% dos voos ao longo do ano, em comparação ao período pré-pandemia.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
HUB Marítimo

Fortaleza conta ainda com dois importantes portos marítimos:

– Porto do Mucuripe. Com mais de um século de atividade, é um dos principais portos para navegação de cabotagem e intercontinental por sua localização estratégica e proximidade com os mercados da América do Norte, Europa e África. Desde 2014, conta com um dos mais modernos terminais de passageiros do país, construído para receber os turistas na Copa do Mundo, com capacidade para receber cerca de 4.500 passageiros por turno.

Terminal de Passageiros do Porto do Mucuripe

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

– Terminal Portuário do Pecém. É um porto estilo off shore, com 380 mil metros quadrados de área de armazenagem, inaugurado em 2002, localizando no distrito de Pecém, dentro da Região Metropolitana de Fortaleza, a cerca de 60 quilômetros da capital. Com localização geográfica privilegiada, permite um menor tempo de trânsito entre o Brasil e os EUA e Europa.

O Porto faz parte do projeto do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), no qual também estão inseridos a Zona de Processamento de Exportação (ZPE), a Companhia Siderúrgica do Pecém (Vale do Rio Doce, Dongkuk Steel e Posco), a Refinaria Premium II (Petrobrás) e as termelétricas Pecém I (Energias de Portugal – EDP) e Pecém II (Eneva, empresa do grupo alemão E.ON). O Complexo conta, ainda, com a interligação modal ferroviária por meio da Transnordestina e rodoviária através da BR-222 e CE-422.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

https://revista.fct.unesp.br/index.php/pegada/article/download/2951/2812

A estatal Port of Rotteredam, que já atuava como consultora do Porto, fechou acordo com o Governo do Estado do Ceará para a administração conjunta do Complexo Industrial e Portuário do Pecém. A parceria envolve investimento holandês em cerca de 75 milhões de euros por 30% das ações do CIPP. Além dos investimentos, a companhia holandesa terá assento na diretoria executiva, no Conselho Fiscal e no gerenciamento das operações.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
HUB de Telecomunicações

A cidade de Fortaleza também caminha para se tornar um importante e estratégico hub de telecomunicações. Da capital, partem os cabos:

– South Atlantic Cable System (SACS) ligando a Angola

– o Monet, ligando a Miami (o sistema conta com parceria da Google, Algar e Antel) 

– o West Africa Cable System (WACS) ligando a Cape Town

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Com investimentos nos três sistemas na ordem de US$ 300 milhões, a operação é feita a partir do Data Center da Angola Cables, construído na Praia de Iracema.

Em 2018 também deu se início às negociações para a interligação da Ásia com a América do Sul através do SACS, um projeto da Chinesa Unicom, considerada a maior empresa de telecomunicações da Ásia, que, juntamente com Huawei Marine Networks e Camtel, forma o sistema South Atlantic Inter Link (SAIL).

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Tais instalações tem atraído muito interesse das gigantes de tecnologia, como Amazon, Google e Microsoft, que já possuem estudos de viabilidade para a oferta de seus serviços a partir de Fortaleza. Em outubro de 2021 a Amazon inaugurou seu Centro de Distribuição em Itaitinga, na região metropolitana de Fortaleza, com o objetivo de atender às regiões norte e nordeste do Brasil. Além da Amazon, Mercado Livre e Americanas também estudam a instalação de CDs no Ceará.

No campo interno, aproveitando o potencial dessa infraestrutura, o Governo do Estado concluiu a interligação de todos os seus 184 municípios com a capital por meio de fibra ótica, através do projeto Cinturão Digital do Ceará (CDC), com o fim de expandir os negócios para o interior do Estado.

https://www.etice.ce.gov.br/2021/04/23/cinturao-digital-do-ceara-historia-e-promocao-da-transformacao-digital/#:~:text=O%20projeto%20do%20Cintur%C3%A3o%20Digital,mais%20remotos%20e%20por%20um

HUB de Hidrogênio Verde

Por fim, além desses grandes investimentos que tornam Fortaleza uma capital de destaque no cenário nacional e internacional, há uma ampla negociação para captação de investimentos para a criação de um hub para produção de hidrogênio verde no Complexo Industrial e Portuário do Pecém.

Até fevereiro último o Governo do Estado do Ceará assinou 15 memorandos de entendimento com empresas nacionais e internacionais do setor de energia. O consórcio europeu Transhydrogen Alliance, formado pelas empresas Proton Ventures, Trammo, Global Energy Storage e VARO, vai investir 2 bilhões de dólares nos próximos anos na planta alencarina para produzir 500 mil toneladas/ano de hidrogênio verde.

Além do consórcio europeu, também assinaram memorando de entendimento com o Estado as empesas: Cactus Energia Verde, White Martins, Eneva, Enegix Energy, Hytron, H2helium, Engie, Linde, Diferencial, Qair, Fortescue e Neoenergia.

O hidrogênio verde é visto como o combustível do futuro, dado que é produzido por fontes renováveis, contribuindo para a redução de emissão de poluentes. Grande parte da energia necessária para a produção do hidrogênio verde virá do Parque Fotovoltáico Uruquê, com capacidade de produção de 2,4GW de energia, e do Parque Eólico Offshore, com capacidade produtiva de 1,2GW de energia.

Então, para os que ainda não conhecem, faço o convite. Venham conhecer o Ceará, venham conhecer Fortaleza!!!


Links úteis:

https://fcdlmg.org.br/dn-turismo-deve-representar-24-do-pib-do-ceara-em-10-anos/

https://cdlbarbalha.org.br/aeroporto-de-fortaleza-projeta-40-mais-voos-e-o-triplo-de-passageiros-em-marco/

https://www.futurecom.com.br/pt/imprensa/Release-do-Expositor/Angola-Cables-e-Malaysia-Telekom-global-realizam-testes-finais.html

https://www.angolacables.co.ao/en/angola-cables-assina-acordo-de-parceria-com-operadora-da-malasia-tm-global/

https://www.ceara.gov.br/2021/05/31/governo-do-ceara-divulga-potencial-do-complexo-do-pecem-durante-maior-evento-de-investimentos-estrangeiros-da-america-latina/

https://urbanismoemeioambiente.fortaleza.ce.gov.br/infocidade/362-programa-fortaleza-cidade-sustentavel

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.