Os indicadores socioeconômicos do Brasil em comparação com os da Argentina e México

PEDRO JORGE RAMOS VIANNA

Professor Titular da UFC, Aposentado

Em 2011, o PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento lançou a 20ª edição do seu Relatório de Desenvolvimento Humano.

Este Relatório, englobando informações de 169 países, traz em seu bojo 17 Tabelas, cobrindo 151 variáveis/indicadores, distribuídos dentro dos seguintes tópicos:

  •  Índice de Desenvolvimento Humano e seus componentes
  • Tendências do IDH, 1980-2010
  • Índice de Desenvolvimento Humano Ajustado à Desigualdade
  • Índice de Desigualdade de Gênero
  • Índice de Pobreza Multidimensional
  • Capacitação
  • Sustentabilidade e Vulnerabilidade
  • Segurança Humana
  • Percepções sobre Bem-Estar e Felicidade Individuais
  • Bem-Estar Cívico e Comunitário
  • Tendências Demográficas
  • Trabalho Digno
  • Educação
  • Saúde
  • Ambiente Impulsionador: Fluxos e Compromissos Financeiros
  • Ambiente Impulsionador: Economia e Infra-estruturas
  •  Acesso as Tecnologias de Informação e Comunicação

Infelizmente, a séries históricas não são uniforme para todas as variáveis/parâmetros. Assim, fica difícil uma análise envolvendo uma série histórica para todas as variáveis. Mas em termos de “cross section” entre países, isto é possível.

Dentro deste contexto escolhi fazer comparações entre Argentina, Brasil e México. A idéia subjacente é verificar a situação brasileira em termos dos dois países latino-americanos que mais apresentam similitudes com o nosso País.

De acordo com o contido no Quadro apresentado no Anexo,

serão comparadas 67 variáveis, as quais foram distribuídas por 15 blocos distintos de estatísticas.

Assim, não seguimos a distribuição de todas as variáveis do Relatório, nem trabalhamos com todos os conjuntos de variáveis. Primeiro para que este artigo não ficasse muito longo; segundo, por não considerar de muita importância sua análise (como analisar “Tendências Demográficas”).

Para chamar a atenção sobre a péssima situação do Brasil vis a vis Argentina e México, começamos por informar que das 67 variáveis analisadas, para 38 delas (as que estão grafadas em vermelho), o Brasil apresenta a pior posição entre os três países. Considerando que algumas não puderam ser comparáveis por falta de informação para um ou dois dos países analisados, o resultado é que das variáveis comparáveis (63), em 60,3% dos casos o Brasil apresentou a pior situação.

Vamos agora analisar cada um dos 15 blocos de variáveis, mas comentando somente as variáveis onde o Brasil se apresenta em melhor situação que os dois outros países (grafados em azul), exceção para o primeiro e terceiro blocos, por serem aqueles das variáveis-síntese: o IDH e o IDH-Ajustado.

Antes de começarmos a discutir cada um dos blocos de variáveis, vale chamar a atenção para o seguinte fato. Pela metodologia de cálculo do IDH, seu valor varia de 0 a 1. Assim, quanto mais perto de um, maior ele é. Já o Índice de Desigualdade de Gênero, quanto maior, pior é a situação.

No que diz respeito ao IDH DESAGREGADO, os componentes do IDH, somente na variável “anos de escolaridade esperados”, o Brasil ganha do México: 13,8 contra 13,4. E veja que a diferença é mínima. Quanto á “posição da RNB menos a posição no IDH”, o Brasil empata com o México. No mais, perde tanto para o México como para a Argentina, em todas as variáveis ali mostradas.

No segundo bloco de variáveis, o que trata do DESEMPENHO DO IDH, verificamos que no período 2000-2010 (período no qual é possível a comparação entre os três países), o Brasil apresentou um crescimento de 7,70%, enquanto o IDH mexicano cresceu 7,45% e o da Argentina, 5,58%. Assim, embora apresentado o menor IDH entre os três, nesta última década o Brasil apresentou comportamento com viés de crescimento.

Reportando-nos, agora, ao terceiro bloco, o que trata do valor do IDH AJUSTADO, 2010, encontramos que o Brasil apresenta sempre, o pior resultado.

Quanto ao conjunto de variáveis voltadas para o ÍNDICE DEDESIGUALDADE DE GÊNERO, obtemos os seguintes resultados: O Brasil apresenta a maior “taxa de fertilidade na adolescência” (75,6) e maior participação da população feminina e masculina na força laboral. O primeiro fenômeno talvez explique a grande incidência de maternidade infantil que ocorre no Brasil. O segundo nos diz que há no Brasil menor desemprego de mulheres e homens que compõem a nossa PEA.

Em referência ao bloco que trata da POBREZA MULTIDIMENSIONAL , somente na variável “População com Privação Grave em Padrão de Vida” é que o Brasil apresenta melhor performance que Argentina e México. Ou seja, enquanto no Brasil somente 2,8% dessa população está nessa situação, na Argentina é de 4,7% e no México, 6,7%.

Chama a atenção que no Conjunto CAPACITAÇÃO, o Brasil apresente melhor situação que a Argentina e México no item “Vitimas de Corrupção”. Aqui, somente 5,0% da população declarou ter sido vítima da corrupção, contra 8,0% da Argentina e 11,0 do México.

Também é digno de nota que no item SUSTENTABILIDADE E VULNERABILIDADE, o Brasil apresente melhor situação (em 2009) que Argentina e México, haja vista que tínhamos 28,0% de área protegida, enquanto a Argentina apresentava só 5,4% e o México, 11,1%.

No contexto do item BEM-ESTAR CÍVICO E COMUNITÁRIO, notamos que a “satisfação com a qualidade da água” (período 2006-2009) é maior no Brasil (78%) que na Argentina (74%) e no México (66%). Este é um resultado surpreendente, haja vista que a falta de cuidado com os nossos mananciais hídricos é alarmante.

Quanto ao conjunto de variáveis do bloco TRABALHO DIGNO, o Brasil apresenta melhor posição que os outros dois países, tendo em vista que apresenta o percentual de 63,9% para a ”população empregada”, dentro da população de 15 a 64 anos. Neste contexto, a Argentina só empregava 56,5% e o México 51,1% dessa mesma população.

No que diz respeito ao bloco de variáveis FLUXOS E COMPROMISSOS FINANCEIROS, no período 2000-2007, o Brasil apresentou melhor posição no que diz respeito a três tipos de variáveis Despesa Pública em Educação, Despesa Pública em P & D e Despesa Pública com Força Armada, todas medidas em percentual do PIB. Aqui chama a atenção que para o caso da Despesa Pública em P & D, o Brasil apresenta, percentualmente, o dobro do que aplicam os dois outros países. Em termos da Despesa Pública com Força Armada, o Brasil aplica o triplo que o México. E veja que as forças armadas no Brasil estão sucateadas, conforme se alardeia na imprensa. No item educação, o Brasil ganha dos dois países, mas de maneira mais modesta.

Finalmente, cabem os comentários sobre o último bloco de variáveis: ACESSO À TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO.

Aqui o que chama a atenção é o razoável “percentual da população que utiliza internet”: 37,5%. Para a Argentina o percentual é 28,1% e para o México, 22,2%.

As outras variáveis não foram comparadas por que ou Brasil perdia para a Argentina ou perdia para o México. Isto significa dizer que só analisamos as posições onde o Brasil apresentava melhor posição que os dois outros países.

Agora podemos concluir onde o Brasil ganha da Argentina e do México, simultaneamente.

De acordo com a presente análise, isto acontece em 12 variáveis. De um conjunto de 67 variáveis, isto é muito pouco. Veja-se que o Brasil perde para a Argentina e México, simultaneamente, em 38 variáveis

Considerando que o País é a 6ª economia do mundo, a situação apresentada pelas variáveis/parâmetros aqui analisados, é vergonha para a qual não temos explicação, a não ser a falta de brasilidade de todos os governos das décadas dos anos sessentas do século passado para cá.

Com a derrocada do planejamento econômico em nosso País, com a enxurrada de “pacotes econômicos” sem qualquer conexão de médio ou longo prazo, com a prática das políticas discricionárias, com a ineficiência e ineficácia dos órgãos públicos, com a apologia ao ócio, talvez somente um milagre – não o “milagre brasileiro” – poderia ter levado a resultados diferentes.

QUADRO COMPARATIVO ARGENTINA, BRASIL E MÉXICO

COMPARAÇÃO ENTRE ARGENTINA, BRASIL E MÉXICO DOS INDICADORES SOCIOECONÔMICOS

VariáveisARGENTINA BRASIL MÉXICO
1. IDH (2010)0,7750,6990,750
Índice Esperança de Vida75,772,976,7
Média de Anos de Escolaridade9,37,28,7
Anos de Escolaridade Esperados15,513,813,4
Renda Nacional Bruta per capita (US$1.00)14,60310,60713,971
Posição na RNB per capita menos a Posição no IDH6-3-3
Valor do IDH Não-Rendimento0,8210,7280,785
RANKING DO IDH467356
2. TENDÊNCIAS DO IDH – 1980-2010   
19800,6560,581
19900,6820,635
19950.7090,660
20000,7340,6490,698
20050,7490,6780,727
20090,7720,6930,745
20100,7750,6990,750
Taxa Média Anual de Crescimento do IDH 1990-2010 (%)0,640,83
3. IDH AJUSTADO À DESIGUALDADE – 20100,6220,5090,593
Índice Esperança de Vida0,7900,6980,787
Índice Educação Ajustada à Desigualdade0,6720,4700,564
Índice de Rendimento Ajustado à Desigualdade0,4600,4010,469
Coeficiente de Gini de Rendimento48,855,051,6
4. IDG – ÍNDICE DE DESIGUALDADE DE GÊNERO (2008)0,5340,6310,576
Taxa de Mortalidade Materna7711060
Taxa de Fertilidade na Adolescência56,975,664,8
Lugares no Parlamento (%) – Mulheres39,89,422,1
População com pelo menos Educação Secundária (2010) Mulheres Homens  57,0 54,9  48,8 46,3  57,7 63,6
Taxa de Participação na Força Laboral Mulheres Homens  45,6 84,5  64,0 85,2  46,3 84,6
Taxa de Prevalência de Contraceptivos, Qualquer Método (%)….….70,9
Cobertura Pré-Natal Pelo Menos Uma Visita (%)…..9894
Partos Assistidos por Pessoal Especializado (%)1009794
5. ÍNDICE DE POBREZA MULTIDIMENSIONAL (2000-2008)0,0110,0390,015
População em Risco de Pobreza Multidimensional (%)5,713,15,8
População com Privação Grave em Educação (%)15,420,210,1
População com Privação Grave em Saúde (%)3,85,29,2
População com Privação Grave em Padrão de Vida (%)4,72,86,7
População Abaixo do Limiar da Pobreza de Rendimento (%)3,45,24,0
6. CAPACITAÇÃO   
Ìndice de Liberdade de Imprensa11,315,948,3
Vitimas de Corrupção (%)8,05,011,0
Envolvimento Político (%)11,019,022,0
7. SUSTENTABILIDADE E VULNERABILIDADE   
Área Protegida (%) – 20095,428,011,1
População Vivendo em Áreas Degradadas (%) – 20102,08,04,0
População sem Água Tratada (%) – 20083,03,06.0
População sem Saneamento Básico (%) – 200810,020,015,0
Mortes por Poluição do Meio Ambiente (por milhão habs.)-2004349269174
8. SEGURANÇA HUMANA   
Exportações de Armas (US$ milhões de 1990) – 200872.0
Importações de Armas (US$ milhões de 1990) – 200821.0212.0
9. PERCEPÇÕES SOBRE BEM-ESTAR E FELICIDADE INDIVIDUAIS   
Satisfação com a Vida em Geral (de 0 1 10) – 2006-20097,17,67,7
Índice de Experiências Negativas (0 a 100) – 2006-2009212420
10. BEM-ESTAR CÍVICO E COMUNITÁRIO   
Taxa de Homicídio (por 100 mil pessoas) – 2003-20085,222,011,6
Taxa de Assalto (por 100 mil pessoas) – 2003-2008859….505
Satisfação com a Qualidade da Saúde – 2006-2009583958
Satisfação com a Qualidade da Educação – 2006-2009515372
Satisfação com a Qualidade da Qualidade da Água – 2006-2009747866
11. TRABALHO DIGNO   
Taxa de População Empregada (de 15 a 64 anos) – 200856,563,951,1
Emprego Formal no Total do Emprego (%) 2000-200879,968,170,5
Pessoas Empregadas que Vivem co Menos de US$1.25 p/Dia %3,56,20,8
12. EDUCAÇÃO   
Taxa de Alfabetização de Adultos (≥ 15 anos) 2005-200897,790,092,9
Percentual da População com pelo menos a Educ. Secundária (≥25 anos) – 2005-2009  44,6  21,9  40,3
Percentual da População com Idade Escolar Própria Matriculada no Ensino Primário – Matrícula Líquida – 2001-2009  79,4  77,0  70,9
Taxa de Abandono no Ensino Primário – 2005-20085,124,48,5
Relação Número de Alunos por Professor – 2005-200814,823,028,0
13. SAÚDE   
Despesas Per Capita com Saúde (US$1.00)1,322.00837.00819.00
Número de Médicos por 10.000 Habts. 2000-2009321729
Número de Leitos Hospitalares por 10.000 Habts. – 2000-2009412417
Mortalidade Infantil (por 1.000 nascidos vivos) – 2008151815
14. FLUXOS E COMPROMISSOS FINANCEIROS (2000-2007)   
Despesa Pública em Educação como Percentual do PIB4,95,24,8
Despesa Pública em Saúde como Percentual do PIB5,13.52,7
Despesa Pública em P & D como Percentual do PIB0,51,00,5
Despesa Pública com Força Armada como Percentual do PIB0,81,50,5
Despesa Pública com Serviço da Dívida como Percentual do PIB3,03,63,9
15. ACESSO À TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO   
População Coberta com Rede Telefônica Móvel – 2008 (%)9491100
Percentual da População Utilizadora da Internet – 200828,137,522,2
Número de Computadores Pessoais (por 100 Habts.)….….14,1
Número de Pessoas com Assinatura de Banda Larga (p/100 Hab)8,0  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.