Diretor da OMC defende reforma de regras comerciais

Fonte: Agência Brasil, publicado em 23 de Agosto de 2018


Por Carolina Gonçalves - Repórter da Agência Brasil* | Curitiba

 

Os debates sobre as recentes tensões nas relações comerciais em todo o mundo, especialmente sobre o impasse entre Estados Unidos e China, considerados os grandes players globais, foram destaque hoje (23) durante o Fórum de Agricultura da América do Sul, em Curitiba.

 

“Se os países membros não encontrarem soluções corretas aos desafios, podemos chegar a uma situação em que as regras da OMC [Oganização Mundial do Comércio] não sejam capazes de proteger mercados”, alertou o próprio diretor da organização, Willy Alfaro.

 

Alfaro defendeu uma reforma da OMC e conclamou a iniciativa privada a encampar essas mudanças. Segundo ele, são as empresas que devem pressionar os governos em busca da atualização das regras comerciais “criadas há muito tempo”.

 

Em outros painéis, a discussão sobre os impasses entre norte-americanos e chineses continuou dominando a cena do encontro que ocorre em Curitiba até amanhã (24). Mais de 40 palestrantes se dividem em temas em torno de tendências do agronegócio com foco no crescimento do mercado sul-americano.

 

Ao tratar sobre os desafios de mercado, Susan Sutherland, analista da Bolsa de Chicago, relembrou os momentos iniciais do governo Trump, que culminaria em todas as medidas restritivas do comércio entre os dois países. Susan reforçou a expectativa negativa de produtores americanos de grãos, apontando que 35% deles esperam uma queda de mais de 20% nos negócios em função do impasse com a China. A analista reforçou que a questão comercial não se limita às variáveis de oferta e demanda, mas também sofrem fortes impactos das decisões políticas.


México

 

Com alta dependência dos Estados Unidos, principalmente no abastecimento de alimentos, o México vem sinalizando interesse em avançar com negociações com outros mercados, incluindo o Brasil. O presidente da Câmara de Comércio entre os dois países (Camebra), Miguel Ruiz, disse que o “efeito Trump” levou ao avanço de acordos do México com Canadá e o governo brasileiro, abrindo oportunidades para ampliação do comércio agro com outros mercados.

 

Segundo ele, com o Brasil, as negociações totalizam cerca de US$ 100 bilhões atualmente, por ano. “Esse resultado pode ser ampliado em torno de 50% se os países avançarem em um acordo de livre comércio”, defendeu. Para que isso aconteça, segundo Ruiz, é preciso avançar nas negociações diplomáticas, mas também em melhorias logísticas, já que, a distância entre os dois países, com as atuais condições, fazem com que grandes carregamentos levem entre 20 a 40 dias para chegar ao destino.


Exportações

 

Projeções da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) divulgadas hoje (23) apontam para uma redução da s exportações de carne de frango e carne suína do Brasil em função de restrições comerciais e aumento de custos. No caso do frango, a queda deve ficar entre 2% e 3% na comparação com 2017. No caso dos suínos, a retração pode chegar a 12%.


*A repórter viajou a convite do 6º Fórum de Agricultura da América do Sul

 

Edição: Sabrina Craide