Venezuela e Nicarágua dominarão debates na assembleia da OEA

Fonte: Agência Brasil, publicado em 04 de Junho de 2018


Por Renata Giraldi - Repórter da Agência Brasil* | Brasília

 

O acirramento da violência na Nicarágua e a situação política e econômica na Venezuela vão dominar as discussões da 48ª Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington (EUA), que começa hoje (4) e termina amanhã. O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, representa o Brasil.

 

Alguns dos representantes dos 35 países que compõem a OEA estudam aprovar até amanhã uma resolução em que questionam a legitimidade do governo reeleito de Nicolás Maduro, na Venezuela. Também há a hipótese de ser aprovada uma decisão com uma série de sanções ao país.

 

O Grupo de Lima, do qual faz parte o Brasil, já divulgou uma posição crítica à reeleição de Maduro e na qual levanta dúvidas sobre o processo eleitoral no país, uma vez que a abstenção foi elevada e há denúncias de perseguição política aos adversários de Maduro.

 

Nicarágua

 

“Só a Justiça é capaz de recuperar a Nicarágua”, alertou o secretário-geral da OEA, o uruguaio Luis Almagro, que é fortemente criticado por autoridades da Venezuela e da Bolívia. “Eleições livres são o único caminho para a Nicarágua.”

 

Duas propostas estão em discussão na Nicarágua, que vive em clima de embates desde abril, registrando pelo menos 110 mortos em conseqüência de protestos contra o governo de Daniel Ortega.

 

Uma recomendação apresentada pelos Estados Unidos sugere medidas duras contra o governo Ortega. Outra que, ao que tudo indica tem maioria, propõe o envio de observadores estrangeiros ao país. Desde 18 de abril, manifestações dominam a Nicarágua em protesto contra a reforma da Previdência e a falta de liberdade de expressão. As repressões policiais são intensas e os embates constantes.

 

Direitos

 

Ontem (3), houve uma prévia da reunião com a participação de integrantes da sociedade civil organizada: trabalhadores, representantes de grupos de minorias, como indígenas e mulheres. Todos pediram Justiça, liberdade e mais participação nas decisões políticas de uma forma geral.


*Com informações da Télam, agência pública de notícias da Argentina, e da OEA.

 

Edição: Graça Adjuto