Novo primeiro-ministro da Itália veio do FMI

Fonte: Agência Brasil, publicado em 30 de Maio de 2018


Por Moisés Rabinovici* | São Paulo

 

O novo primeiro-ministro interino da Itália veio do FMI (Fundo Monetário Internacional), Carlo Cottarelli. Mas o anúncio de sua nomeação, no domingo (27), não segurou os mercados financeiros no mundo. Eles desabaram.

 

Os italianos votaram em 3 de março e elegeram dois partidos antieuropeus e populistas, a Liga e o 5Estrelas, que começaram então a formar um governo. Só que eles escolheram um conhecido opositor do euro para ministro da Finança, Paolo Savona, de 81 anos, e incorreram no veto do presidente Sergio Mattarella.

 

Foi aí que Giuseppe Conte, acadêmico inexperiente que seria o novo primeiro-ministro, resolveu sair.

 

A Liga e o 5Estrelas estão agora querendo o impeachment do presidente Mattarella, argumentando que ele trocou um governo eleito pela maioria por alguém que não teve sequer um voto.

 

O tumulto transbordou da Itália e contagiou a Europa, principalmente Portugal e Espanha, e derrubou 400 pontos da Dow, em Wall Street. Fala-se agora em Italexit, como uma versão do Brexit, o divórcio do Reino Unido da União Europeia.

 

O primeiro-ministro Cottarelli deve marcar novas eleições para julho ou setembro. Elas tenderão a se tornar de fato um plebiscito sobre o futuro da Itália na Europa, ou a independência.

 

Tempos difíceis para a União Europeia: o governo espanhol vai enfrentar ainda nesta semana um voto de não confiança. E Hungria e Polônia tornaram-se estranhos no ninho.

 

*O jornalista Moisés Rabinovici é comentarista da Rádio Nacional e apresentador do programa Um olhar sobre o Mundo, na TV Brasil

 

Edição: Kleber Sampaio