Apenas 10% dos cerca de 850 postos do Rio receberam combustíveis

Fonte: Agência Brasil, publicado em 29 de Maio de 2018


Por Nielmar de Oliveira – Repórter da Agência Brasil | Rio de Janeiro

 

Apesar da escolta de forças de segurança a caminhões-tanque que entregam combustível para os postos de gasolina do Rio de Janeiro, de ontem até as 8h de hoje (29), apenas 10% dos 850 postos de combustíveis do município do Rio de Janeiro receberam o produto.

 

De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes e de Lojas de Conveniência do Município do Rio de Janeiro (Sindcomb) o abastecimento dos postos foi intensificado nas últimas horas e os caminhões-tanque seguiam circulando com escolta no trecho entre as distribuidoras e os postos. A escolta está sendo feita por forças de segurança do Estado, com auxílio das Forças Armadas.

 

O Sindicomb informou que para atender a todos os postos e normalizar a prestação de serviços aos usuários, a distribuição dos derivados ainda está sendo feita de forma contingenciada e os estabelecimentos só estão recebendo 5 mil litros de cada um dos tipos de combustíveis: gasolina, etanol e diesel.

 

Em nota, o governador Luiz Fernando Pezão disse que o Rio já está retomando a normalidade. A nota informa que até a noite de ontem foram transportados, sob escolta, 5 milhões de litros de combustíveis da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), na Baixada Fluminense. O volume equivale a um terço do que normalmente é distribuído.


Fetranspor

 

Já a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) acredita que a normalização dos serviços poderá ocorrer ao longo do dia. Segundo nota da entidade, “com a retomada gradativa do abastecimento de combustível com o apoio das forças de segurança, as empresas de transporte estão cada vez mais próximas de normalizar a operação em todo o estado”.

 

A nota informa que nesta terça-feira, cerca de 60% da frota estava em circulação e a perspectiva era de que mais carros voltassem a circular ao longo do dia, garantindo o atendimento à população. “A continuidade do abastecimento é imprescindível para a regularização dos estoques de óleo diesel das empresas e a manutenção do serviço de transporte público em todo o estado”.


RioÔnibus

 

O Sindicato das Empresas de ônibus do Município do Rio (Rio Ônibus) informou que cerca de 71% da frota está circulando na tarde desta terça-feira (29). “Com a retomada gradativa do abastecimento de óleo diesel, as empresas do município do Rio de Janeiro começaram a normalizar o serviço, aumentando o número de veículos nas ruas”, diz a entidade.

 

A expectativa da Rio Ônibus é de que esse número continue crescendo ao longo do dia. “É importante ressaltar, porém, que a manutenção do sistema de transporte rodoviário de passageiros depende da continuidade no processo de entrega de combustível às operadoras”.

 

A avaliação do sindicato é de que, por dia, as 36 empresas que operam no município necessitam de mais de 760 mil litros de óleo diesel. Ao todo, são transportados 4 milhões de passageiros em uma frota de cerca de 7 mil ônibus.


BRT e Barcas

 

Já os coletivos do BRT operavam na manhã de hoje com cerca de 40% da frota e a expectativa era de que o serviço começasse a se normalizar ao longo da tarde.

 

As barcas que fazem a travessia pela Baía de Guanabara continuam com a operação especial anunciada ontem, com a linha Arariboia – Praça XV, operando com intervalos de 20 minutos entre as viagens no período de rush (das 6h30 às 10h e das 16h30 às 20h10).


Metrô

 

O MetrôRio manterá o esquema especial da semana passada, adotado com a redução da circulação de ônibus. As equipes em operação nas mais de 40 estações continuam reforçadas para assegurar agilidade e segurança no transporte dos clientes.

 

No horário de pico, que vai até as 10h no primeiro horário e das 17h às 20h no segundo, o tempo de intervalo entre as composições é de 4,5 minutos, com o segundo trecho, entre Botafogo e a Central do Brasil operando com intervalo de 2m15seg. Nos demais horários, a média do intervalo entre as composições é de 6 minutos.

 

Edição: Denise Griesinger