Safra de grãos tem nível histórico e chega a 232 milhões de toneladas

Fonte: Agência Brasil, publicado em 10 de Maio de 2018


Por Paula Laboissière – Repórter da Agência Brasil | Brasília

 

A safra total de grãos e oleaginosas 2017/2018 deve somar 232,6 milhões de toneladas, a segunda maior da história, anunciou hoje (10) a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A previsão no ranking já havia ocorrido em abril, quando o órgão esperava 229,5 milhões de toneladas.

 

“Apesar do decréscimo de 2,1% em comparação com a safra passada, que chegou a 237,7 milhões de toneladas, o número é bem elevado em relação à média de produção nacional, em condições atmosféricas normais. Na comparação com a pesquisa do mês de abril, a estimativa total da safra mostra um aumento de 1,3%, ou cerca de 3 milhões de toneladas”, informou a Conab.

 

Os maiores volumes são de soja e do milho total. A soja é responsável pelo bom desempenho produtivo, e o avanço da colheita vem confirmando a boa produtividade. A leguminosa registra 117 milhões de toneladas e o cereal, 89,2 milhões de toneladas. Já o milho segunda safra responde por 70% de sua colheita (62,9 milhões de toneladas), cabendo ao milho primeira safra 26,3 milhões de toneladas.

 

Na sequência de aumento da produção do 8º Levantamento da Safra de Grãos 2017/2018 vem o algodão em pluma, com um volume de 1,9 milhão de toneladas – cerca de 27% a mais que a safra anterior. O feijão segunda safra também registrou bom desempenho, com um aumento de 10,2% e colheita de 1,32 milhão de toneladas.

 

Crescimento

 

Segundo a Conab, o término do plantio das culturas de segunda safra, a estimativa de área de plantio para o feijão e as culturas de inverno sinalizam um crescimento de área, a maior da série histórica, de 61,5 milhões de hectares, com um incremento de 1,1%.

 

Na ordem crescente de ganho absoluto da área plantada vem a soja, com 1,2 milhão de hectares; o algodão (236,8 mil hectares); e o feijão segunda safra (132,6 mil hectares). Com os aumentos, a área total da soja ficou em 35,1 milhões de hectares e, em seguida, aparecem o feijão segunda safra (1,6 milhão hectares) e o algodão (1,2 milhão hectares).

 

Edição: Maria Claudia