Argentina lança hoje plano nacional para estimular agricultura e pecuária

publicado em 05 de Setembro de 2011




(Clique aqui para ler a matéria na fonte) 


Fonte: Agência Brasil


Renata Giraldi*
Repórter da Agência

Brasília - A presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, lançará hoje (5) um plano nacional de agricultura e pecuária para o período de 2016 a 2010. O objetivo é aumentar a produção argentina de grãos em mais de mais de 150 milhões de toneladas por ano até 2020. Também há a meta de superar a marca de 1 milhão de toneladas de carne exportada para a próxima década.

O plano se concentrará em 24 complexos de produção, considerando as características e produção de cada região. Na economia argentina, a produção agrícola e pecuária respondem por cerca de 60% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. A exportação de gado tem um papel relevante na economia do país.

Na agricultura, a Argentina está entre os exportadores de uva, mel, milho, sorgo, soja, girassol, semente, trigo e erva mate, mas, em 2009, o setor representou apenas 8% do PIB. Os alimentos para animais e o óleo estão entre as principais commodities do país. Além disso, a região de Mendoza e San Juan são as principais regiões produtoras de vinhos.

A proposta do plano foi elaborada com o apoio de 45 universidades nacionais, câmaras de comércio – provinciais e municipais –, além de organizações rurais e sociais, assim como 400 escolas agrotécnicas de todo o país. Desde o ano passado, ocorrem reuniões em todo o país para fechar o texto do plano.

O plano será lançado com a presença de autoridades públicas e também de representantes de mais de 500 associações empresariais e técnicas, assim como de faculdades de Ciências Agrárias, Economia e Veterinária. Inicialmente, o plano estava previsto para ser lançado em julho do ano passado.

*Com informações da agência pública de notícias da Argentina, Telam.

Edição: Talita Cavalcante


Leia mais:

Congresso da Argentina ratifica criação do Banco do Sul

Italianos fazem greve geral em protesto contra plano de austeridade

União Europeia reconhece risco de recessão e crescimento modesto


{jcomments on}