Obras de logística no Sudeste exigem investimento de R$ 63,2 bilhões, diz CNI

Fonte: Agência Brasil, publicado em 26 de Outubro de 2015


Marli Moreira - Repórter da Agência Brasil
 
O escoamento da produção agrícola, industrial e de minérios na região Sudeste do país exigirá investimentos públicos ou privado no valor de R$ 63,2 bilhões em melhorias de vias de transporte rodoviário, ferroviário e hidroviário até 2020, informa estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI).
 
O estudo, denominado Projeto Sudeste Competitivo, foi elaborado em parceria com as federações industriais de São Paulo, Espírito Santos, Minas Gerais e Rio de Janeiro. O estudo sugere que deveriam ser executadas com urgência 86 obras englobando rodovias, ferrovias, portos, estações de transbordo e dutos para transporte de minérios.
 
O estudo indica que os projetos propiciarão economia anual de R$ 8,9 bilhões, depois de implantados. Das 86 obras apontadas como emergenciais, apenas 16 estão em andamento. As outras estão em projeto ou em análise do poder público.
 
O estudo identifica oito rotas prioritárias. O documento cita, entre essas rotas, a BR-116  – que liga a Região Sul ao Nordeste. A BR-116 opera com o dobro de capacidade em múltiplos trechos da rodovia. O documento informa que outra rota prioritária – a BR-262 – no trecho entre Bela Vista  (MG) e Belo Horizonte, recebe 32% mais carga do que prevê sua capacidade.
 
“Projetos de infraestrutura têm longo tempo de maturação. É preciso planejamento e governança para dotar nossa malha de transportes de condições condizente com o tamanho da economia brasileira”, disse, por meio de nota, Olavo Machado, presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI.
 
De acordo com a CNI, o setor produtivo do país gasta R$ 108,4 bilhões, anualmente, com custos de transporte – incluindo fretes, pedágios, custos de transbordo, terminais, tarifas portuárias  – o que corresponde a 4,5% do Produto Interno Bruto (soma das riquezas produzidas pelos estados da região). Conforme o documento, se não forem realizados os investimentos previstos, os custos logísticos podem subir para R$ 162,8 bilhões, em 2020.
 
Ao defender a realização de investimentos em transportes, a CNI considera que os projetos significarão relevante redução nos custos de transportes de mercadorias na Região Sudeste.
 
Edição: José Romildo