Inovação é a principal fonte para o crescimento da indústria, diz Thomas Heller

Fonte: CNI, publicado em 20 de Agosto de 2014


Vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 2007 e especialista em política climática, o professor norte-americano Thomas Heller destacou que a inovação será a principal fonte de crescimento para indústria. Segundo ele, as empresas que não se adequarem às novas realidades, que envolvem a conservação do meio ambiente aliada a técnicas alternativas de produção, não sobreviverão. “Aqueles que chegarem mais tarde vão ser jogados para fora do mercado. Não é uma historia fácil ou confortável. Teremos várias mudanças no mercado de trabalho. Isso vai regenerar o crescimento que no mundo todo se tornou vagaroso”, afirmou.


Thomas Heller fez a palestra de abertura da terceira edição do encontro CNI Sustentabilidade, na manhã desta quarta-feira (20), no Hotel Sofitel, no Rio de Janeiro. Uma boa notícia, segundo ele, é que, embora a ciência seja praticamente a mesma de 20 anos atrás, ela se tornou mais esclarecida a medida que os cientistas aprenderam mais sobre as mudanças climáticas.

 

O palestrante ponderou que não há incompatibilidade entre o aumento da produtividade e a conservação ambiental. “Não existe uma limitação entre o crescimento e o meio ambiente. O que move o capital privado é a perspectiva de um futuro brilhante. E a fonte principal de crescimento é a inovação”, frisou.


EMISSÃO DE GASES - Convidado pela CNI para participar do evento, o especialista mencionou que a atual política climática que reduz os riscos ao meio ambiente "funciona". Ele alertou, no entanto, que ainda há muito a ser feito para que as emissões de gases poluentes sejam reduzidas e que o processo de mudanças será longo. Heller alertou que o mundo terá que responder a "problemas que existiram nas maneiras anteriores que usamos para a produção”.

 

“Precisamos entender que a maneira como produzimos no passado será ineficiente no futuro. Muitas políticas (climáticas) foram criadas, mas seus efeitos ficaram escondidos pelo crescimento muito substancial que temos visto na Ásia e no mundo emergente. Esse crescimento aumentou a demanda energética e são países que usam energia de carvão, por isso houve aumento substancial nas emissões (de gases poluentes)”, enfatizou.

 

O especialista defende a manutenção das políticas climáticas e alertou que a questão tende a ser aprimorada na conferência da ONU sobre mudanças climáticas de Paris (COP 21), marcada para 2015 na capital francesa – os acordos começarão a ser construídos em dezembro de 2014, em Lima, durante a COP 20. Heller, no entanto, considera que as mudanças virão muito mais por iniciativas do setor econômico do que propriamente por acordos políticos. “A política tem que mudar, mas o setor econômico é que será decisivo.”


CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL - Como recado final, Heller frisou que há maneiras para os países crescerem de forma sustentável. “Se realmente queremos resolver os problemas climáticos, temos que tirar o pé do freio, enfrentar o futuro e entender que não será simples, mas essa é a única maneira de crescermos nossas economias."

 

O norte-americano falou ainda sobre casos específicos de preocupações atuais, como o da China. “Não sei se alguém aqui foi à China recentemente. A poluição do ar no país é algo praticamente intolerável. Não sei o que vão fazer em relação a isso”, disse.

 

Por Diego Abreu, do Rio de Janeiro

Foto: José Paulo Lacerda

Para o Portal da Indústria