Taxação de derivativos não prejudicará entrada de investimentos estrangeiros no Brasil

publicado em 27 de Julho de 2011


(Clique aqui para ler a matéria na fonte)

Fonte: Agência Brasil

Flávia Villela
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, disse hoje (27) que a medida provisória (MP) que taxa em até 25% os derivativos financeiros, não prejudicará a entrada de investimentos estrangeiros no país. A MP foi publicada hoje no Diário Oficial da União.

“Os investimentos estrangeiros respondem a fatores estruturais que não são afetados por essa medida – inclusive, o Brasil continua sendo um país efetivo de investimentos estrangeiros, e essa medida vem a fortalecer essa marca do Brasil.”

Segundo ele, o BC vai continuar a intervir sempre que for necessário para evitar a desvalorização do dólar. “Essa medida vai reduzir a alavancagem contra o dólar e a favor do real e assegurar a estabilidade financeira do país. O BC vai continuar avaliando as condições de mercado para definir as nossas ações”.

Sobre a questão da dívida dos Estados Unidos, Tombini disse acreditar que os americanos vão pagar o que devem, mas ressaltou que o Brasil tem um política baseada em segurança, liquidez e rentabilidade e que estará preparado, caso ocorra calote por parte dos EUA.

De acordo com Tombini, o Brasil tem um nível de reservas hoje adequado às suas necessidades, o equivalente a cerca de 14% a 15% do Produto Interno Bruto (PIB) em reservas internacionais. Entre os países do Brics, grupo do qual o Brasil faz parte, ele citou o caso da China, cujo nível de reservas equivale a 47% do PIB, a Índia, com 30% e a Rússia, com 20%. "Então, nossa política é muito bem definida e continuará sendo seguida dessa forma”, disse  Tombini, que fez palestra hoje na Escola Superior de Guerra, no Rio de Janeiro.

Edição: Nádia Franco

{jcomments on}