Aumenta preocupação da indústria da construção civil com custo da mão de obra, segundo CNI

publicado em 27 de Julho de 2011


(Clique aqui para ler a matéria na fonte)

Fonte: Agência Brasil

Vinicius Konchinski
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – A falta de trabalhadores qualificados já tem reflexos no custo da mão de obra da indústria da construção, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com sondagem da entidade, o elevado gasto com empregados é apontado como o terceiro maior problema das grandes construtoras e empreiteiras do país. Há um ano, esse item ocupava o quinto lugar.

O último relatório da Sondagem da Indústria da Construção da CNI foi divulgado hoje (27), em São Paulo. O levantamento é referente a junho. Na pesquisa, foram ouvidos 212 representantes de grandes empresas da construção. Desses, 40,4% apontaram o alto custo da mão de obra como um dos seus três maiores problemas.

No levantamento de junho de 2010, 21,9% dos grandes empresários do setor haviam apontando o custo da mão de obra como um dos seus principais problemas. Esse índice é pouco maior do que a metade do registrado em junho deste ano.

Em ambas as pesquisas, a falta de profissionais qualificados foi apontada pelas empresas da construção civil como o maior problema, seguido da elevada carga tributária. Em junho deste ano, 68,1% dos grandes empresários reclamaram da dificuldade de encontrar trabalhadores capacitados. Já em junho do ano passado, essa carência foi apontada por 81,3%

“O aumento do custo da mão de obra é uma questão de oferta e procura”, complementou o gerente executivo de Pesquisas da CNI, Renato da Fonseca. “As empresas têm dificuldade de encontrar trabalhadores qualificados. Então, elas gastam com a qualificação do trabalhador ou aumentam os salários para contratar. Isso impacta nos custos.”

Apesar desses problemas, a maioria das empresas da construção civil ouvidas pela CNI informou que aumentou seu número de funcionários de maio para junho. Segundo elas, a situação financeira melhorou em junho na comparação com o mês anterior.

Edição: João Carlos Rodrigues

{jcomments on}