Um novo aumento da taxa de juros



UM NOVO AUMENTO DA TAXA DE JUROS

PEDRO JORGE RAMOS VIANNA

 

O COPOM novamente aumentou a taxa básica de juros, desta vez para 12,0%. O “leit motiv” é combater a inflação. Mas já está mais que demonstrado que esta não é a política adequada para corrigir o rumo do processo inflacionário. Toda a classe produtora é contra esta medida e muitos economistas também o são. Mas o Governo insiste em tal caminho.

Mas, a par desta política errônea, o Governo volta a uma política que foi usada sobremaneira durante os nossos períodos de inflação elevada: o processo de mascarar a inflação via barateamento artificial das importações, com a manutenção de taxa de câmbio desalinhada, com viés para a sobrevalorização da moeda nacional.

Mas estas duas medidas, taxa de juros alta e Real sobrevalorizado estão diametralmente opostas ao caminho para o desenvolvimento de todo o setor produtivo, porque prejudica os investimentos e dificulta as exportações.

Isto sem falar na enorme carga tributária que é praticada pelo Governo,nem na falta de investimentos em educação tecnológica.

Em outras palavras, o Governo está na contra-mão do processo de crescimento do País.

Desta forma, embora algumas variáveis macroeconômicas estejam “bem comportadas” como o déficit primário, por exemplo, existe o espectro ameaçador para o futuro: a total falta de competitividade das empresas brasileiras diante do que o Governo vem fazendo. A enorme dívida interna (transformação da dívida externa) que suga um volume enorme de recursos do setor produtivo para o setor especulativo é um ponto que vem dificultar ainda mais a situação do setor produtivo brasileiro.

Assim, o viés monetarista do Banco Central está levando o País a uma situação futura preocupante.

{jcomments on}

 



    Pedro Vianna


    Sócio fundador da Econometrix e da TPJ Economistas Associados, com 40 anos de experiência na área da Ciência Econômica. Foi Diretor do Sistema BEC/BANDECE. Foi chefe do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste-ETENE, do BNB. Foi Vice-Presidente da Associação de Bancos de Desenvolvimento - ABDE. Foi Professor Titular em Ciência Econômica da Universidade Federal do Ceará. Foi Professor Pesquisador do Seminar Für Allgemeine Betriebswirtschaftslehre, Beschaffung und Produktpolitik, e do Institut Für Finanzwissenschaft, ambos da Universidade de Colônia (Alemanha). Especialista nas áreas de Economia Internacional e Ciência Tributária.