Meditação sobre o Natal



MEDITAÇÃO SOBRE O NATAL

 

Pedro Sisnando Leite

 

 

Historicamente o Natal é considerado um período para dar presentes, para reunir a família, manifestar nossos votos de felicidade, alegria, saúde e prosperidade  para nossos familiares e amigos.

Para alguns, o Natal é uma oportunidade para agradecer pela maneira como  Deus está  operando em suas vidas.  Outros dedicam também algum tempo extra para orar pelo nosso País, pelo fim da violência e da corrupção, e contra a degradação dos costumes da sociedade.

Para os cristãos mais devotos, contudo, celebrar o Natal é renovar nossa crença na misericórdia de Deus, que enviou seu filho para salvar a humanidade. Para que no mundo volte a reinar a paz e a liberdade, e forças para suplantar as nossas fraquezas e insuficiências.

Segundo nos fala João no seu Evangelho, ou por meio dos profetas, Deus anunciou ao povo que lhe enviaria o Salvador, o Messias, que o libertaria da opressão. Em Jesus essas profecias se cumprem.

É no Natal, portanto, que celebramos o nascimento do Messias, a prova de que Deus age na história e ama seu povo. A confirmação de que Deus tem um plano para nós, e que nos chama para uma vida nova.

A comemoração do Natal requer de nós uma atitude de total abertura ao mistério do nascimento de Jesus, pois só assim entenderemos o motivo de sua vinda e a importância disso para cada cristão e para cada um dos leitores desta Crônica.

A maternidade de Maria é realmente um mistério para todos nós, inclusive para os cristãos, e que ela mesma só compreendeu o que estava acontecendo mediante a fé, na força e no poder da palavra de Deus.

Nós custamos a crer, Maria não: ela confiou-se nas mãos de Deus sem restrição. Maria aceita totalmente o projeto de Deus, não impõe dificuldades e compreende a grandiosidade da missão que Deus lhe confiou.

Assim, a visão cristã do Natal é que não seja apenas uma preocupação econômica e material ou um encontro de amigos, mas a realização do espírito e do Plano de Deus.

Se hoje queremos o fim da opressão dos pecados pessoais e sociais, o fim das injustiças; se queremos ver nascer um mundo mais fraterno, o fim da pobreza e das desigualdades, devemos acolher com fé o menino que vem, assim como Maria. A missão de Maria ilumina a nossa missão hoje, e a minha fé...

É o cristo que está nascendo no coração de cada pessoa.  Ele é o único caminho, a verdade e a vida. Ninguém pode ir até Deus a não ser por Ele. Por isso,     Natal é tempo de comemorar, refletir sobre a nossa vida; é a ocasião para avaliarmos nosso desempenho e realizações. Fazermos novas promessas, estabelecer metas para um novo ano, para 2012. Essas coisas ocorrem em todos os países, independentemente das crenças religiosas, políticas e etnias.

O mês de dezembro, no entanto, pela tradição cristã é o momento da comemoração do NATAL. Para os cristãos católicos, Natal é uma festa de aniversário natalício. Nela quer-se comemorar o nascimento de Cristo. Mas será que todos nós estamos lembrados disso? Que ideia temos da pessoa desse aniversariante. Que significa Jesus Cristo em nossa vida?

Na verdade, é muito fácil aceitar um Menino Jesus de gesso, alvo, louro de olhos azuis, que serve de pretextos para promoções comerciais. Será que aceitamos em nossa vida real um Cristo verdadeiro, o Deus efetivamente nascido entre nós. Será que reconhecemos todas as implicações desse Nascimento? Na verdade, cada um de nós tem que se definir perante Jesus Cristo. Para segui-lo, ou rejeitá-lo, ou mesmo para negá-lo. Simeão profetizou que Ele estava destinado a ser ocasião de queda e de reerguimento para muitos e para ser alvo de contradição (Lc. 2, 25-34) . E assim historicamente aconteceu, e ainda hoje acontece.  Há os que guiados pelo Espírito, divisam o seu verdadeiro perfil, anunciados antes e mostrado nos Evangelhos e nas Epístolas.

Outros o aceitam com restrições-Cristo pela metade. E muitos pretendem simplesmente desconhecê-lo. Mas aceitemos ou não, Ele nasce entre nós, que desde sempre estava com Deus e é Deus. Ele está em tudo desde a eternidade, alimentando a evolução dos seres e encaminhando tudo para o final dos tempos. (Mt. 25,34-46). Tive fome, e não me destes de comer, tive sede e não me deste de beber; era peregrino, e não me recolheste; estava nu, e não me vestiste; enfermo, e não me visitaste, na prisão, e não foste visitar-me. É assim que no Natal e todos os dias nos encontramos com Jesus. Ele está lhe abraçando agora, basta você abrir seu coração! Feliz Natal e um Ano Novo de Paz e Prosperidade...



    Pedro Sisnando


    Economista com pós-graduação em desenvolvimento econômico e planejamento regional em Israel. Atualmente é vice-presidente do Instituto do Ceará (Histórico,  Gegráfico e Antropológico) e da Academia de Ciências Sociais do Ceará, bem com sócio fundador da Academia Cearense de Ciências. É professor titular  (aposentado) do programa de mestrado (CAEN) da Universidade Federal do Ceará, onde foi também Pró-Reitor de Planejamento. No Banco do Nordeste, ocupou o cargo de economista  e Chefe da Divisão de Estudos Agrícolas do Escritório Técnico de Estudos Econômicos(ETENE). No período de 1995-2002, exerceu a função de Secretário de Estado de Desenvolvimento Rural do Ceará. Publicou cerca de 40 livros em sua área de especialização e escreveu muitos artigos para jornais e revistas.